2.2.3 - Subutilização da Capacidade Instalada

 

A energia reativa, ao sobrecarregar uma instalação elétrica,

inviabiliza sua plena utilização, condicionando a instalação de

novas cargas a investimentos que seriam evitados se o fator

de potência apresentasse valores mais altos. O “espaço”

ocupado pela energia reativa poderia ser então utilizado para

o atendimento de novas cargas.

Os investimentos em ampliação das instalações estão

relacionados principalmente aos transformadores e

condutores necessários. O transformador a ser instalado

deve atender à potência total dos equipamentos utilizados,

mas devido a presença de potência reativa, a sua

capacidade deve ser calculada com base na potência

aparente das instalações.

A Tabela 1 mostra a potência total que deve ter o

transformador, para atender uma carga útil de 800 kW para

fatores de potência crescentes.

 

 

 

 

 

 

 

 

Também o custo dos sistemas de comando, proteção e

controle dos equipamentos cresce com o aumento da

energia reativa. Da mesma forma, para transportar a mesma

potência ativa sem o aumento de perdas, a seção dos

condutores deve aumentar à medida em que o fator de

potência diminui. A Tabela 2 ilustra a variação da seção de

um condutor em função do fator de potência. Nota-se que a

seção necessária, supondo-se um fator de potência 0,70 é o

dobro da seção para o fator de potência 1,00.

 

A correção do fator de potência por si só já libera capacidade para instalação de novos equipamentos, sem a necessidade de investimentos em transformador ou substituição de condutores para esse fim específico.

 

2.4 - Vantagens da Correção do Fator de Potência

 

2.4.1 - Melhoria da Tensão

 

As desvantagens de tensões abaixo da nominal em qualquer sistema elétrico são bastante conhecidas. Embora os capacitores elevem os níveis de tensão, é raramente econômico instalá-los em estabelecimentos industriais apenas para esse fim. A melhoria da tensão deve ser considerada como um benefício adicional dos capacitores.

A tensão em qualquer ponto de um circuito elétrico é igual

a da fonte geradora menos a queda de tensão até aquele

ponto. Assim, se a tensão da fonte geradora e as diversas

quedas de tensão forem conhecidas, a tensão em qualquer

ponto pode ser facilmente determinada. Como a tensão

na fonte é conhecida, o problema consiste apenas na

determinação das quedas de tensão.

A fim de simplificar o cálculo das quedas de tensão, a

 

seguinte fórmula é geralmente usada :