3.2.2 - Determinação da Potência Reativa

 

Considerando as observações descritas no ítem 3.2.1.2,

apresentamos um dimensionamento de capacitores para

correção do fator de potência que não tenha interferência

significativa de harmônicas.

onde:

 

F é o fator de multiplicação necessário para a correção do fator de potência existente para o desejado, coletado do Anexo A .

η é o rendimento do motor de acordo com a carga aplicada

ao eixo.

 

Utilizar a equação I para todos os casos, com exceção de

motores onde deverá ser utilizada a equação II.

 

Nota: Para especificação do capacitor, consultar folheto

técnico modelo 911.

 

3.2.3 - Dimensionamento da Potência Reativa para a Correção do Transformador de Força

 

Determina-se a potência do capacitor na correção de

transformadores funcionando a vazio, através da seguinte

expressão:

Onde:

 

Qo - é a potência reativa (kvar) para o transformador elevar o

seu fator de potência para 1.

io - é a corrente em vazio - valor em p.u. e em %, ou seja, (Io/Ins).100

Sn - é a potência nominal do transformador (KVA).

Io - corrente a vazio do transformador em A (dado da placa do fabricante ou fornecido via relatório de ensaio).

Ins - corrente nominal no secundário do transformador

Po - potência de perdas a vazio, em kW (dado da placa do fabricante ou fornecido em relatório de ensaio).

 

Obs.: recomendamos a utilização em kvar’s de 95% do

valor calculado em Qo

3.2.4 - Cálculo da Capacitância do Capacitor

3.2.5 - Cálculo da Corrente Nominal do Capacitor

3.2.6 - Proteções Contra Curto-Circuito

 

Dimensionar para utilização de fusíveis, características gL

- gG, conforme a seguinte equação:

onde:

 

Inf = Corrente calculada do fusível (usar o valor comercial do fusível imediatamente superior);

Inc = Corrente nominal do capacitor

 

3.2.7 - Condutores

 

Utilizar condutores superdimensionados em 1,43 vezes

(NBR 5060) a corrente nominal do capacitor e levar em

consideração outros critérios, tais como: maneira de instalar,

temperatura ambiente, etc.

 

3.2.8 - Dimensionamento da Potência Reativa

 

para a Correção Localizada de Motores

Para o cálculo da potência reativa necessária consultar o

ítem 3.2.2, equação II.

Nota: Cuidados especiais com chaves de partidas

estáticas e com motores de alta inércia (vide ítem 5.3).

 

3.2.9 - Dimensionamento da Potência Reativa para Bancos Automáticos.

 

Para o cálculo da potência reativa necessária consultar o

ítem 3.2.2., equação I.

 

a) Quantidade de Estágios:

Recomenda-se dividir em estágios de no máximo 25 kvar

(380/440V) ou 15 kvar (220V) por estágio do contro-lador,

excetuando-se um dos estágios que deve ter a metade da

potência em kvar do maior estágio para facilitar o ajuste fino

do fator de potência, pois os controladores modernos fazem

leitura por varredura, buscando a melhor combinação de

estágios em cada situação.

Nota: A recomendação de valor máximo para os estágios não é aleatória. Está baseada em aspectos práticos de aplicação e permite que se mantenha as correntes de surto, provocadas pelo chaveamento de bancos (ou módulos) em paralelo, em níveis aceitáveis para os componentes. Estas correntes podem atingir patamares superiores a 100 vezes a corrente nominal dos capacitores, decorrendo daí, todo o tipo de dano que possa ser provocado por altas correntes em um circuito qualquer (atuação de fusível, queima de contatos dos contatores, queima dos resistores de précarga, além da expansão da caneca do capacitor, com conseqüente perda deste).